Gravidez

De Ooshin
Ir para: navegação, pesquisa


Em geral, Meishu Sama ensina que a gravidez representa que a mulher está com o corpo saudável a ponto de gerar uma criança em seu ventre. Sendo assim, uma vez que o próprio corpo possibilitou a gravidez, é natural que o período de gestação corra de forma saudável bem como que o corpo da mulher seja apto a ter um parto normal sem a necessidade de intervenção médica.

Quanto aos cuidados durante a gravidez, Meishu Sama ensina que não há nada de muito diferente a ser feito, podendo a mulher ter uma vida normal até a data do parto.

Já quanto aos cuidados pós-parto, Meishu Sama ensina que devem ser tomadas algumas precauções a fim de evitar que o sangue com toxinas se encaminhe para locais inapropriados do corpo, o que poderia causar doenças no futuro.

Abaixo foram reunidos Ensinamentos de Meishu Sama sobre o tema.

Gravidez[editar]

Gravidez

"A seguir, tratarei sobre a gravidez que, para as mulheres, não é uma doença; ao contrário, é uma prova de saúde. Hoje em dia, a maioria das mulheres, ao engravidar, ao invés de se alegrar, fica com medo ou preocupada, e por um lado isso é normal. Isto porque, durante a gravidez, há mais facilidade de surgirem vários problemas e doenças, sendo que a maioria das pessoas, naturalmente, sofre de enjôos. Para aquelas que têm tuberculose, doenças de Basedow e outras, é considerado perigoso engravidar, e os médicos as fazem abortar. Algumas pessoas chegam a dar à luz, mas podem ter um parto difícil. Podemos dizer que não há uma pessoa que possa realmente ficar tranqüila. O que se deve pensar, em relação a esses casos, é que vários problemas como esses são realmente anormais. Talvez, antigamente, as senhoras não tivessem muitos problemas desse tipo, pois não há nada registrado. Se for assim, isso mostra um efeito contrário ao progresso da medicina. É um assunto fora da lógica. Mas este é o ponto em que a medicina é cega. O efeito contrário é, totalmente, devido aos remédios; quanto mais remédio uma pessoa tomou, pior é o resultado. Isso não somente influencia a própria pessoa, mas traz conseqüência ao bebê, causando parto prematuro, natimortos, etc, sendo que este é o motivo de, atualmente, existirem muitos bebês fracos e mal desenvolvidos.

Em verdade, engravidar e dar à luz uma criança é uma magnífica função atribuída à mulher, e por isso é natural que a gravidez transcorra normalmente e não haja problemas no parto. Não há motivos para surgirem problemas e, se eles aparecem, é porque há algum ponto errado; é só perceber, nesse meio tempo, o ponto que está errado e repará-lo. Escreverei detalhadamente sobre isso agora.

No caso da gravidez, a preocupação maior são os enjôos. Este é um sintoma que não precisa ser explicado porque todos sabem, mas quando é grave, até a vida corre perigo, não podendo haver descuidos. A sua causa também é desconhecida pela medicina, mas o motivo é simples demais. Isto é, quando o útero tenta dilatar-se, alguma coisa atrapalha. São as toxinas acumuladas na parte do umbigo até o estômago que, com a dilatação, entram em processo de eliminação. Isso são os enjôos. Através de vômitos intensos, estas toxinas vão sendo eliminadas.

Essas toxinas são hereditárias, e causadas por remédios, mas, saindo tudo que tiver, melhora completamente. A medicina não sabe a causa dos enjôos, mas mesmo que soubesse, ela não teria uma maneira de fazer sair essas toxinas; por isso, toma uma medida apenas paliativa ou, em casos extremos, aconselha o aborto.

Dentre várias outras, há a doença dos rins, na gravidez, e sem dúvida, os sintomas são edemas; isso é causado – como dizem na medicina - por distúrbios dos rins, isto é, atrofiamento dos rins. A causa disso, como escrevi antes, é que normalmente existem toxinas na parte de trás dos rins; essa pressão aumenta por causa da gravidez, com a pressão que vem também pela frente. O rim fica prensado e se atrofia, não conseguindo expelir toda a urina, que sai em forma de edemas. Dissolvendo as toxinas da parte da espinha dorsal com o Johrei, a pressão nos rins alivia e é natural que melhore.

E como pela medicina nada se pode fazer, no caso de sintomas graves, provoca-se o aborto, pois não se pode trocar pela vida da mãe. Realmente é uma pena, pois se sacrifica o valioso bebê, que se conseguiu com tanto custo. Isso acontece geralmente no período de 8 a 9 meses e, sendo assim, a mãe sente uma tristeza maior.

Agora, tentarei escrever o modo de pensar da medicina acerca da gravidez.

Como disse anteriormente, está completamente errado provocar o aborto de mulheres que tenham tuberculose e a doença de Basedow, por as considerarem perigosas para a gravidez.

Seja como for, engravidar significa que a pessoa tem condições de saúde e a resistência física necessárias para dar à luz sem problemas. Isto é, possui a qualificação para ser mãe. Não sendo assim, não haveria porque se engravidar. Tudo isso acontece porque o modo de pensar da medicina está voltado somente para o lado material e, ignorando a espiritualidade originária do homem, comete o erro de tratá-lo como um animal.

Isto não é um argumento. Até agora, por causa desses motivos, disse às senhoras grávidas que não importava a doença que tivessem. Somente com o Johrei fiz com que tivessem um parto normal, sem nenhuma exceção.

Acredito que, apenas por esse fato, o modo de pensar da medicina deveria mudar em muito. Em seguida, escreverei sobre cada uma das doenças de mulheres."

(A Criação da Civilização)

Cuidados antes e após o parto[editar]

Descanso é importante após o parto

"Interlocutor: Treze anos atrás eu tive um problema após o parto. Eu me tornei bastante histérica e também tive doenças. Recentemente eu comecei a receber Johrei e eu melhorei, mas eu ouvi que problemas após o parto não podem ser curados facilmente. Eu posso ser totalmente curada pelo Johrei?

Meishu-Sama: Sim, você certamente pode ser curada. Existem vários sintomas que ocorrem após o parto, todos causados por utilizar o corpo demais antes de eliminar todo o sangue impuro. Se a mulher utilizar seu cérebro demais, o sangue impuro se acumula lá. Se ela utliza suas costas, o sangue vai para lá. Se ela utiliza seus olhos, ela desenvolverá problemas oculares. Problemas mentais após o parto são causados por muita preocupação e ansiedade, assim o sangue impuro se acumula na cabeça. Esse sangue solidificado é muito dificil de eliminar, então as pessoas dizem que a condição é incurável. Você deve entender que a mulher deve permanecer na cama por uma semana após dar a luz. Depois disso, ela pode levantar gradualmente, mas ela não deve forçar seu cérebro por 21 dias. Depois de 35 dias, ela pode começar a movimentar suavemente seu corpo. Ela pode voltar a atividade normal após 75 dias."

(Gokowaroku vol 3)

---

"Interlocutor — Quanto tempo após o parto uma Ministra pode recomeçar o seu trabalho de dedicação?

Meishu Sama — Ah, sim! É muito importante ter um conhecimento claro sobre esse assunto. O trabalho pode ser retomado uns setenta e cinco dias após o parto, mas isso depende de cada pessoa. Normalmente, passados trinta e cinco dias, as atividades já podem ser reiniciadas devagar. Mas antes desse período, o melhor mesmo é a parturiente procurar se resguardar o máximo que puder.

Com relação ao período antecedente ao parto, não há cuidados especiais a serem tomados, inclusive a mulher pode trabalhar normalmente até o último dia da gestação. No entanto, é muito importante que receba bastante Johrei. Contudo, a parturiente não deverá ministrá-lo durante os trinta e cinco dias que sucederem ao parto, porque o sangue velho acumulado pode subir, quando ela levantar o braço para ministrar Johrei, chegando a se acumular nesse local. E mesmo após esse período, caso ainda haja sangramento, ela deverá aguardar, até que esteja completamente recuperada.

Interlocutor — Após o parto, quanto tempo a parturiente deve aguardar até que possa participar do Culto na Sede, em Atami?

Meishu Sama — Mais ou menos umas duas ou três semanas, portanto, ela deverá evitar viajar antes de transcorrido esse período. Contudo, se mesmo assim ainda houver sangramento intenso, é melhor que permaneça em casa, aguardando até que ele diminua e, quando isso ocorrer, significa que o sangue já está ficando limpo, o que a permitirá viajar para assistir ao Culto.

Interlocutor — A que se deve estar atento, antes e após o parto?

Meishu Sama — Antes do parto, não há muita coisa a ser levada em consideração. Contudo, desde antigamente, fala-se do perigo de aborto, quando a mão é levantada de forma exagerada. Deve-se também tomar todos os cuidados para se evitar tombos, pois o aumento do tamanho da barriga pode levar a mulher grávida a perder o equilíbrio e cair, o que, em conseqüência, gera a possibilidade de o cordão umbilical enrolar-se ao pescoço do bebê. No entanto, cair simplesmente não tem tanta importância assim, já que o perigoso mesmo é uma grávida rolar uma escada, por exemplo.

Mas as gestantes podem trabalhar normalmente, sem haver necessidade de cuidados excessivos, até o mês do parto, exatamente como fazem aquelas que se dedicam à agricultura, as quais se mantêm ativas até o dia do parto. Ao agir dessa forma, uma parturiente dará à luz tranqüilamente e, inclusive, com sofrimento menor.

Mas após o parto, os cuidados deverão ser redobrados, principalmente enquanto houver sangramento, devendo-se evitar, nesse período, movimentos bruscos e até friagens, inclusive. Ultimamente, os médicos têm recomendado banhos ou resfriamentos por gelo, o que se trata de um irreparável erro, porque tal procedimento pode levar a uma parada repentina do sangramento. Com isso, o sangue que deveria ser eliminado vai se acumular em alguma parte do corpo, especialmente nas que foram muito movimentadas. Dessa forma, caso a parturiente tenha andado muito, o sangue vai ficar solidificado em sua perna. Se usou muito os olhos, é aí que o sangue vai se acumular. Inclusive, dizem que a visão danificada no período do pós-parto não se recupera nunca mais. Se a gestante se preocupou exageradamente com algum problema, o sangue velho sobe para a cabeça, e daí a grande facilidade de doenças mentais serem contraídas nesse período.

Concluindo: até que haja a total eliminação do sangue velho, a parturiente deverá manter repouso e também observar o seu próprio processo de sangramento. À medida que for diminuindo o fluxo, daí então ela poderá ir retomando devagar as suas atividades cotidianas. Mas é recomendável que, na primeira semana consecutiva ao parto, movimente-se apenas para ir ao banheiro. Porém, nas três semanas seguintes, já poderá realizar algumas tarefas, mas sempre tomando todos os cuidados para evitar que seu fluxo sanguíneo seja interrompido, procedimento que depende, então, dos cuidados pessoais de quem acabou de dar à luz. Portanto, as parturientes deverão estar atentas ao fluxo sanguíneo que está sendo eliminado e também aos movimentos corporais que realizam. E quando o sangramento cessar por completo, o que geralmente ocorre após três semanas do parto, já há condições de as atividades normais serem retomadas, mesmo assim, paulatinamente.

Em síntese, após setenta e cinco dias do parto a vida já poderá ser levada dentro dos padrões habituais. Ainda um outro aspecto: para se evitar qualquer atraso na recuperação da parturiente, as relações sexuais só deverão ser retomadas, no mínimo, após trinta e cinco dias da data do parto.

Interlocutor — Então, transcorridos setenta e cinco dias após o parto, aí a mulher já poderá levar vida normal?

Meishu Sama — Sim!

Interlocutor — E quanto à alimentação da parturiente, quais os cuidados a serem tomados?

Meishu Sama — Quanto aos alimentos, não há restrição de espécie alguma, qualquer um poderá ser escolhido, a gosto.

Interlocutor — E banho, pode ser tomado?

Meishu Sama — Isso depende do fluxo de sangramento, inclusive devem ser tomados todos os cuidados para que ele não seja interrompido. É necessário deixar-se que o sangue velho seja eliminado, para que ele limpe o corpo. De modo geral, aconselha-se banho só após a terceira semana do parto."

(fonte desconhecida)

---

"Interlocutor: A Sra. Ryuko Takayanagui (37 anos e membro há 3 anos) deu à luz a quarta criança em dezembro do ano passado e, graças à proteção de Deus, foi parto normal. A partir então, foi ao banheiro. No dia seguinte, recebi o Ensinamento sobre os cuidados após o parto. Em seguida, transmiti-lhe o conteúdo do referido Ensinamento, mas ela pareceu não dar muita importância. No quarto dia, começou a sentir dores de cabeça fortíssimas.

Permaneceu assim durante dez dias; depois, a dor tornou-se mais amena. Apesar de lá ter dado à luz, a barriga cresceu, a quantidade de urina diminuiu e o corpo foi tomado por bolhas d'água.A senhora vomitou intensamente catarro com sangue e começou a apresentar problemas respiratórios. Quando teve dificuldade em respirar pela segunda vez, recebeu Johrei e se sentiu aliviada; mas as bolhas d'água continuavam. Ao passar mal de novo, as bolhas estavam maiores do que antes e, principalmente, a barriga ficou dura e inchada.

No final de janeiro, foi entronizada a Imagem da Luz Divina. Já se passaram três meses, mas não há melhora! Será que o ponto vital onde se deve ministrar Johrei está errado? Ou será que há alguma relação espiritual? E mais: depois que a sogra se tornou membro da nossa Igreja, será que o fato de cultuar o espírito do marido nas religiões Kankô e Zensô e ir ao templo da religião Konkô teria alguma influência?

MEISHU-SAMA: Ir o banheiro após o parto está errado. Não é um costume geral ir ao banheiro: isso é um hábito dessa pessoa. Embora os membros da religião P.L. façam assim, é errado.

Já escrevi e falei sobre isso anteriormente: durante uma semana, a mulher não se deve levantar de maneira alguma, nem mesmo para ir ao banheiro. A dor de cabeça intensa é porque ela não obedeceu.

Não tem importância freqüentar a religião Konkô, já que o falecido marido era membro dela. Pode ser que ele ainda tenha apego a essa religião. Cultuá-lo ou não, fica a critério da pessoa.

Esse caso não é um problema espiritual. Não há motivo para tanta preocupação nesse sentido; mas ela não fez de acordo com o Ensinamento.

Interlocutor: Sim, parece não estar fazendo, porque os três primeiros partos foram bem fáceis.

MEISHU-SAMA: É por isso. Ela precisa pedir perdão. A pessoa vai sarar se desculpando de coração pelo que fez. O Johrei é ótimo, mas o problema ocorreu por ser uma punição à falta de cumprimento do Ensinamento. Uma vez que se torna membro - ou seja, desde que fora salvo com o Johrei e não agir de acordo com o meu método, não será salvo. Por isso, basta pedir desculpas por essa conduta. A forte dor de cabeça era o aviso dos antepassados. Me assim, como não percebeu, houve a dilatação da barriga. A pessoa precisa pedir desculpas de coração. Com isso vai a sarar."

(Mioshie-shu n-0 7 (27/02/52)


"Depois de ter dado à luz, a mulher deve ficar deitada durante uma semana. Terminada a primeira semana, pode, aos poucos, começar a se levantar, e durante vinte e um dias, não utilizar muito o corpo.

E, mais ou menos com 35 dias, pode começar movimentar normalmente. Na verdade, depois de completar 75 dias é que é o melhor para se voltar à normalidade. Se, depois do parto, ela fizer esforço demasiado, adoecerá no futuro; portanto, é preciso tomar o máximo cuidado."

fonte desconhecida


Problemas para engravidar, controle de natalidade e outras questões[editar]

Sobre gravidez, após a remoção parcial de ovário, trompas ou útero, caso a pessoa tenha menstruação

"Interlocutor: Por motivo de gravidez externa, a pessoa foi operada. Como havia mioma, sofreu intervenção cirúrgica e, portanto, parte do ovário, trompas e útero foram removidos. Dessa forma, a pessoa vem evitando a gravidez. Além disso, menstruava e foi acometida de peritonite. Após isso, ela engravidou. A parte removida do útero foi a superior.

Meishu-Sama: Isso significa que houve remoção parcial. O método anti-concepcional é feito através da compressão das trompas.

Interlocutor: Como isso acontece?

Meishu-Sama: Nem eu mesmo posso responder-lhe com certeza. Isso porque o médico alterou algo que foi atribuído a pessoa pelos Céus. Como toda a Criação Divina é perfeita, posso compreendê-la, mas como esse procedimento foi “obra” dos médicos, não sei responder-lhe claramente. Não é impossível engravidar, mas mesmo conseguindo, talvez ela perderá a criança. Como o útero não dilata, em certo momento acabará abortando. O fato de haver menstruação, certamente indica que a circulação atinge o útero. É natural que quando se menstrua, a gravidez seja possível, mas se o útero não for perfeito, a criança não poderá se desenvolver. Com a gravidez, é normal o útero se dilatar, mas em caso de existir algum obstáculo, isso não acontece. Em caso de remoções, as probabilidades de aborto são altas. Mesmo que engravide, com certeza o resultado será ruim. A pessoa deve desistir. É mais um caso de pessoa vítima dos médicos. Não é fácil alertar a todos sobre esse perigo. Por isso, atualmente venho auxiliando-os, mas isso é inevitável."

(fonte desconhecida)


Sobre o natimorto (p.162)

"Interlocutor: Trata-se de uma senhora de 30 anos, que estava grávida de seis meses. Como sua barriga não crescia, ela foi examinada pelo médico, que propôs cirurgia, pois o feto já estava morto há três meses. Como ela não sentia dores e receava ser operada, optou pelo Johrei. Mesmo que o feto esteja morto, é possível expeli-lo através do Johrei ? Esta pessoa tem dois filhos e já sofreu um aborto natural.

Meishu-Sama: Mesmo que o feto esteja morto, com a ministração do Johrei, ele acabará saindo. Há casos em que o sangue estava acumulado já há um certo tempo na parede do útero e causa a morte do feto? / o não-desenvolvimento do feto. Existe também a gravidez psicológica, que deve ser levada em conta. A gravidez psicológica é muito interessante, pois o pensamento contínuo de que uma criança nascerá, acaba fazendo a barriga crescer. E veja que não é ar, não!"

(fonte desconhecida)


Os métodos anticoncepcionais geram pecados?

"Interlocutor: Há artistas que, para exercerem seu ofício, evitam a gravidez. Isso é consentido?

Meishu-Sama: Não é consentido.

Interlocutor: Se utilizam métodos anticoncepcionais...

Meishu-Sama: O pecado é menor. Primeiramente, os antepassados ficam muito aborrecidos. Além do pecado que se comete, os antepassados se aborrecem bastante com a extinção da linhagem. O pecado da extinção da linhagem somado à ira dos antepassados não resulta em boa coisa. Porém, esse é um pecado leve. Aborto provocado gera pecado maior. Realmente depende do tamanho da matéria.

Interlocutor: Em caso de anticoncepcional não natural, o pecado é grande?

Meishu-Sama: O pecado não é tão grande assim, mas, até certo ponto, constitui pecado.

Interlocutor: Em caso de algum problema, ou em caso inevitável, é permitido?

Meishu-Sama: Não existe problema inevitável. Um caso inevitável, já constitui, em si, pecado. Métodos anticoncepcionais, como aborto provocado por exemplo, é assassinato. É um assassinato de porte menor, mas, sem dúvidas, é um assassinato. Por isso, o pecado é cometido."

(Gossuiji Roku número 22 p.19)


Sobre o grau de gravidade do pecado em caso de aborto provocado e de controle de natalidade

"Interlocutor: Ultimamente, com relação ao problema populacional, parece que o governo permitirá a venda de pílulas anticoncepcionais. A esse respeito, gostaria de saber: a) como fica o espírito da criança cuja mãe, mesmo saudável, pratica aborto devido às dificuldades da vida diária? b) qual é o castigo imposto aos pais por Deus, em decorrência do aborto praticado? Como será o futuro dos pais referentemente ao espírito da criança?

Meishu-Sama: O aborto provocado é condenável, difere do controle de natalidade. É uma tolice achar que o nascimento da criança trará dificuldades para a vida diária pois, ao nascer, ela nasce traz o alimento necessário para si. Proporcionalmente ao aumento do número de crianças, ocorrerá, certamente, o aumento do rendimento financeiro. Como o aborto é uma espécie de assassinato, trata-se de um gravíssimo erro. Comparado ao aborto, o pecado do controle da natalidade é menor."

(Revista Tijo Tengoku número 7 p.11)


As causas espirituais e materiais do natimorto e do aborto espontâneo

Meishu Sama: Normalmente, a causa é material. A maioria dos casos ocorre por haver nódulos na barriga. Diz-se freqüentemente que, quando a pele da barriga é grossa, a mulher não consegue dar à luz. Contudo o que há, na verdade, são toxinas urinárias acumuladas no peritônio, e, como o útero não dilata lateralmente, ele se contrai e, por conseguinte, ocorre o aborto.

Portanto, se o útero dilatar suficientemente, em absoluto, haverá o aborto. Em contrapartida, quando o útero faz força para cima, a pessoa sente náuseas. Neste caso, basta ministrar Johrei na região entre o umbigo e o epigástrio (boca do estômago). A causa da retroflexão/recurvação e da anteflexão/procurvação (inclinação para diante) do útero tem a mesma causa. Além disso, para se analisar a saúde ou enfermidade através da observação da pele da barriga, é necessário estar treinado até certo ponto. Espiritualmente falando, a morte da criança se deve ao encosto de algum espírito com ódio da mãe, que impede o nascimento da criança. Materialmente falando, são as toxinas medicinais que se concentram na região do útero impossibilitando o desenvolvimento do feto. É por isso que o número de casos de natimorto no interior é relativamente pequeno.

Interlocutor: Há alguma causa espiritual nos casos de natimorto ou aborto espontâneo? Em caso semelhante, como deve ser feito, caso ao espírito da criança seja cultuado à maneira budista?

Meishu-Sama: Há casos de origem espiritual e outros de origem material. Tudo depende do pecado da pessoa. Há diferentes tipos de pecados. O pecado que causa o natimorto é gerado pela não-continuidade dos descendentes, pecados que levam à extinção da linhagem familiar. Por exemplo, o sentimento de ódio de um antepassado assassinado e que, por conseguinte, teve sua linhagem extinta, por outra família. Quanto à origem material, há casos provocados pela ingestão de medicamentos durante a gravidez que levam à morte da criança. Como os medicamentos são tóxicos, a sua ingestão antes da gravidez causa o enfraquecimento do organismo. Conseqüentemente, forma-se um feto fraco, já que as toxinas dos pais passam facilmente para os filhos. A criança fraca, no momento do parto, morre de asfixia.

O aborto natural também pode ter causas espirituais ou materiais. A causa material é a inflamação do peritônio, que faz com que o útero se expanda. Em decorrência disso, ocorre a interrupção da gravidez e o conseqüente aborto. Ministrando-se Johrei na região dos rins, ocorre a cura. A causa espiritual pode ser o fato de o marido ter uma amante ou devido ao pecado de enganar uma moça com quem tivera anteriormente um compromisso. Caso a esposa engravide, o encosto de espírito encarnado - da amante ou daquela com quem o marido tinha compromisso - fica atrapalhando. Devido a esses tipos de pecados, a criança não consegue se desenvolver. A maior parte desses casos são resolvidos se a pessoa ingressar na fé.

Em casos de aborto natural com mais de cinco meses, o espírito deve ser cultuado já como uma pessoa, receber um nome no templo budista e o funeral será realizado de modo simples . Isto porque, aos cinco meses, o feto já possui forma humana. Porém, há também casos em que se cultua o espírito mesmo aos três ou quatro meses."

(Ensinamento - Revista Tijo Tengoku No. 8 p.17)


Sobre a purificação pós operatória por motivo de aborto espontâneo


"Interlocutor: Há vinte anos atrás, sofri um aborto espontâneo e, após ser submetida à cirurgia (curetagem ?), surgiram caroços na minha barriga que começaram a chamar minha atenção, de uns cinco ou seis anos para cá. Recebi o Ohikari em julho de 1948 e, desde então, recebo e ministro Johrei. Atualmente, possuo altar em meu lar, sou missionária e dedico-me integralmente à Obra Divina. Porém, minha barriga não voltou ao tamanho normal. Recentemente, sinto inchaço nas pernas e gostaria de saber que tipo de afinidade espiritual é essa.

Meishu-Sama: A causa é a cirurgia decorrente do aborto. Os nódulos surgidos na barriga devem ser os nódulos de anti-sépticos e também coágulos de sangue. Nesse caso, ministrando-se Johrei, os coágulos serão eliminados. Alguma parte está doente, sabe? Certamente, foi cortado um local importante, provocando a lentidão no processo de eliminação. Devido a essa lentidão, os nódulos não se dissolvem facilmente e não são eliminados. Os nódulos são assim mesmo. Esse é o princípio do processo de eliminação. É bom ministrar Johrei no cóccix pois, assim, os nódulos se dissolverão. Mesmo que não haja cura imediata, haverá uma certa melhora. É aconselhável ministrar Johrei por trás uma vez que, ministrando apenas pela frente, não há resultados."

(Coletânea de Ensinamentos No. 2 p.18)


Gravidez Psicológica após aborto espontâneo

"Interlocutor: Minha esposa recentemente teve um aborto espontâneo. Depois disso, sua menstruação parou e nós pensamos que estava grávida de novo, mas agora sua menstruação voltou. Qual a razão disso?

Meishu-Sama: Isso foi provavelmente uma gravidez psicológica. Essas coisas acontecem as vezes, especialmente quando a mulher quer um bebê muito fortemente. A mestruação dela irá cessar e seu abdomen irá crescer, tudo por causa do seu estado emocional/mental. Por fim, irá começar um pesado sangramento e seu abdomen irá encolher como um balão. Quando há um verdadeiro aborto espontâneo, uma protuberância de sangue será eliminada. Se sua esposa receber bastante Johrei e tiver fé em Deus, acumulando virtudes, vocês terão um lindo bebê. Não se preocupe."

(Gokowaroku vol 3)